Home / PUBLICIDADE E PROPAGANDA / A emancipação da identidade.idsocial#pazebem

A emancipação da identidade.idsocial#pazebem

O Grito”de Edvard Munch

Ao contemplar a natureza em movimento e as transformações que passamos, temos uma obra de arte que por vezes representa esta dinâmica, assim,uma das interpretações possíveis é a do indivíduo que se reconhece como um mutante e parte desta natureza, dai um o grito desesperado de várias sensações e sentimentos.Hoje, com este movimento e evolução das TICs, cenário de especulações tanto positivas quanto negativas a respeito das conseqüências das transformações individuais e coletivas desta acoplagem homem-máquina. Um assunto peculiar das discussões é a questão da identidade, por isso, trouxe para este espaço, alguns tópicos e  parágrafos do texto supra citado abaixo, para iniciarmos assim um dialogo. “ não pire escreva”
PRÁTICAS IDENTITÁRIAS: Língua e Discurso
A escola tem papel central na realização das mudanças necessárias às novas exigências tecnológicas. E fundamental, em qualquer sociedade, que o indivíduo aprenda nas instituições escolares a se defender, conscientemente e de modo crítico, das influências, nefastas ou não, que atuam por meio das novas práticas discursivas instituídas pelo uso do computador.
As principais alterações que a nova tecnologia traz para a formação das identidades decorrem da mudança do que tradicionalmente entendíamos por tempo e espaço. A compressão espaço-temporal permite ao sujeito estar simultaneamente em espaços diferentes, a chamada bilocação. Essa alteração funciona no sentido contrário à concepção situada, local do sujeito estigmatizado dos grupos não politizados de tradição oral, ou seja, dos excluídos digitais, grupo majoritário no país.
Essa possibilidade agrega super poderes ao sujeito contemporâneo: a modalidade e o livre trânsito, livre das amarras sociais, de contornos geográficos e da estratificação, por essa espécie de paraíso cibernético, certamente conferiria certa onipotência ao sujeito.
Reflita sobre os trechos:
  • … a separação capital-trabalho e a diferença entre aquele que transita livremente pelo espaço cibernético e aquele amarrado ao seu espaço-tempo local se acentua mais.
  • … a emancipação da identidade – o sujeito livra-se não só da noção de espaço, de tempo como também da noção de território. Para Milton Santos, o computador mede e controla o tempo multiplicando-o de modo potencial, segundo o usuário, seja ele empresa, grupo social ou pessoa, ao mesmo tempo que o contagia e reduz.
  • … o sujeito liberta-se do físico, adquirindo certa incorporeidade, também manifestada no evitamento de contato pessoal e na separação promovida pela tecnologia.
  • …a capacidade de os sujeitos desvincularem-se do local para se ligarem ao global sob o efeito da velocidade com que lidam com as TIC, como a Internet, pode torná-los descompromissados de qualquer problema local, pois a qualquer momento ele pode se mover para outro lugar sempre que esse se torne inóspito e pouco favorável aos seus propósitos.
  • … a natureza bipartida da expressividade do indivíduo na construção do self: Ele impressiona por meio do que comunica (verbalmente ou não) e pelo que emana, intencionalmente ou não, como ator na cena que se desenrola.
  • …A interação é possível porque cada participante espera do outro que respeite e mantenha um acordo superficial, um “ consenso operacional” que define a situação em curso, que o indivíduo infere do discurso, tornando-o aceitável aos demais participantes.
  • …os MUDs não somente são lugares em que o self é múltiplo e construído pela linguagem, mas também eles são lugares em que as pessoas e máquinas estão em uma nova relação com a outra, desincumbidos dos acordos de ordem moral que as projeções face a face na interação presencial.
  • …estamos entrando num mundo novo da interação, ainda a ser moldado pelos sujeitos nas suas singularidades e nas suas historicidades…
Percebe-se a possibilidade de grandes mudanças e transformações, no entanto, pelo menos por enquanto, tem-se a sensação de impossibilidade diante das conseqüências. Como é isso na verdade? Vamos dialogar? Comente ai…

:: >>>Sobre o autor:

Mauricio Valentini é professor universitário e analista de mídias sociais na Unifran.Contatosvalentini@idsocial.com.br ou mauriciovalentini@yahoo.com.br .
Portfóliohttp://valentini.idsocial.com.br .
Sites: http://www.idsocial.com.br ou http://www.facebook.com/idsocial

One comment

  1. ÊEEE, Maurício: arrasnado nas postagens, hein?
    JF-MG, sou eu no analytis, ok/?
    bjs

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.