Home / JORNALISMO / As Palavras e as Coisas

As Palavras e as Coisas

As Palavras e as Coisas: A Arqueologia das Ciências Humanas (1966)Foucault e Pêcheux na Análise do Discurso: Diálogos e Duelos
Maria do Rosário Gregolin
…analisar o acontecimento discursivo, isto é, tratar os enunciados efetivamente produzidos, em sua irrupção de acontecimento, a fim de compreender as condições que possibilitaram a sua emergência em um certo momento histórico.
… o acontecimento discursivo obedece a uma combinação de regras, que constituem o arquivo, e que determinam as condições de possibilidades de sua aparição.
A análise arqueológica busca o emaranhado de fatos discursivos anteriores a um acontecimento que, ao mesmo tempo, o explicam e o determinam…
A tese principal de “As palavras e as coisas” é que as ciências humanas (compreendidas como discursos) articulam-se sobre um conjunto de outros discursos que lhes deram a possibilidade de nascerem…
Os três momentos do homem como objetos de estudos, levantados por Foucault:
a) Idade da similitude: até o século XVI, as relações entre as palavras e as coisas eram marcadas pela semelhança, igualando magicamente palavra e coisa – pensava-se em uma ação mágica sobre o mundo, através das palavras;
b) Idade da representação: “No começo do século XVII, o pensamento cessa de se mover no elemento da semelhança”(1966ª, p. 75). Essa nova episteme busca sua fundamentação na representação;
c) Idade da interpretação: No século XIX, as idéias de finitude e de historicidade abrem possibilidade de tematizar o homem como objeto do conhecimento. “Cala-se a plenitude clássica do ser” (1966ª, p. 364) e instaura-se a era da interpretação. …linguagem e discurso ocupam seu lugar na ordenação dos saberes.
…nosso saber (a idade clássica) inicia-se com a mutação na forma de conceber a relação entre as palavras e as coisas……Inicia-se, então a busca de ordenação desse mundo em que a semelhança desapareceu…
È o nascimento do homem como sujeito histórico que fará irromper a possibilidade de ele tornar-se sujeito de conhecimento……
Assim, diferente da idade clássica, que pensava o conhecimento como produto, e, portanto, infinito, a modernidade descobre que nada está acabado, tudo está sempre se transformando com os movimentos da História.
Para Foucault, as práticas discursivas são intermediarias entre as palavras e as coisas, a partir das quais se pode definir o que são as coisas e situar o uso das palavras. (…)
Estas questões a cerca destes relacionamentos entre as “Palavras e as coisas” posicionam o indivíduo em seu saber, portanto, vincula-se com a evolução deste indivíduo como sujeito, que em processo de continuidade, chega aos tempos pós-modernos inacabado e atravessado por ideologias, portanto, assujeitado e heterogêneo.Quero entender melhor está relação, para poder falar em “ práticas identitárias” do sujeito professor no meio midiático, liquido e pós-moderno, de certo, encontrar com meus próprios atravessamentos ideológicos, preconceitos e limitações teóricas, que neste instante são motivadores desta busca, deste estudo, da pesquisa.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.